Conheça a história da Firestone no Brasil

04/12/2018 às 10:28 - Atualizado em 10/12/2018 às 8:31

Em maio deste ano, a Firestone Brasil comemorou 95 anos de atuação. A marca, que pertence à Bridgestone, tem atuação mundial e é uma das líderes no mercado brasileiro.

A Firestone foi fundada por Harvey Firestone, um empresário visionário que conseguiu antecipar os movimentos do setor automobilístico. No Brasil, a empresa chegou em 1923, depois de perceber que o país estava se tornando um apaixonado por carros.

Primeira fábrica

Ao chegar ao Brasil, a Firestone Pneus instalou um escritório em São Paulo. Porém, a Segunda Guerra Mundial fez com que o país tivesse a sua própria indústria, para não precisar depender de outras localidades.

A primeira fábrica foi construída em 1939, em uma área de 11.720 m² em São André, na região do ABC Paulista. Ela contava com 333 funcionários e tinha capacidade para produzir cerca de 12,3 mil pneus mensalmente.

Em pouco tempo, a produção da Firestone Brasil superou as expectativas e dominou o mercado de veículos. Além disso, no ano de 1944, a empresa instalou uma unidade de tecelagem e fiação ao lado da fábrica de pneus.

Na década seguinte, a criação da Comissão de Desenvolvimento Industrial impulsionou ainda mais a Firestone a crescer. Isso ocorreu porque o objetivo da comissão era limitar o número de peças industriais importadas. Na prática, tal medida encorajou as montadoras a virem para o país e aumentou a demanda para a fabricante de pneus.

Procura pela borracha

Em 1954, a alta demanda de borracha fez com que a companhia procurasse meios para supri-la. Naquele ano, a Firestone encontrou uma vasta plantação em Camamu e Ituberá, na Bahia.

Pouco tempo depois, em 1967, a fabricante vulcanizou o primeiro pneu na segunda unidade fabril, no Rio de Janeiro. Desse modo, a Firestone Brasil se tornava a única filial da marca — fora dos Estados Unidos — a ter mais de uma fábrica.

Porém, esse status não durou muito. Em 1982, a empresa fechou a unidade mais nova, mantendo os esforços apenas em São André. Anos mais tarde, em 1988, o conglomerado japonês Bridgestone comprou a companhia americana, iniciando uma nova fase para a produtora de pneus.

Reforço de experiências

A fusão dessas duas gigantes do setor só fez a importância das marcas aumentar. Líder no mercado japonês, a Bridgestone começou a expandir os negócios após a Segunda Guerra Mundial, quando deixou de produzir para o conflito.

Diferentemente da Firestone, que já tinha fábrica fora do país de origem na década de 1920, a Bridgestone abriu a primeira unidade internacional na década de 1960, em Singapura. Rapidamente, a companhia ganhou o mercado e, por isso, pouco mais de 20 anos após sair do Japão já pode comprar a americana Firestone.

Presença nos esportes

A Firestone e a Bridgestone são bastante lembradas por estarem presentes nas corridas automobilísticas. Diversas disputas foram vencidas por veículos que estavam calçando os pneus da marca.

Atualmente, as duas marcas não participam da Fórmula 1. No entanto, a Firestone é a fornecedora oficial de pneus para a Fórmula Indy.

Setor agrícola

Nos últimos anos, o setor agrícola recebeu uma atenção especial da Firestone no Brasil. Todos os anos, a companhia lança produtos exclusivos que são pensados para oferecer mais tempo de vida útil, maior capacidade de carga e ótima tração para os caminhões agrícolas.

Boa parte desses lançamentos são vistos na feira Agrishow. Este ano, a marca apresentou a linha Firestone Performer Row Crop. Esse produto possui cintas de aço que possibilitam carregar mais peso, sem deixar de economizar combustível e tempo. A área de contato também é maior, o que oferece 4% mais tração.

Além disso, a companhia lançou ainda o Flotation Implement 600/50-22.5. Esse pneu pode ser usado em usinas de cana de açúcar, pois permitem uma menor compactação do solo.

A participação anual da Firestone Brasil na Agrishow tem servido para estreitar os laços com os clientes, aumentar o conhecimento do setor e divulgar as novidades para o mercado.