Conheça o novo presidente da Confederação Brasileira do Transporte

20/04/2019 às 10:48 - Atualizado em 22/04/2019 às 10:55

Após 26 anos sob o comando de Clésio Andrade, a Confederação Brasileira do Transporte anunciou Vander Costa como novo presidente do órgão e líder dos Conselhos Nacionais do SENAT, ITL e SEST.

O ex vice-presidente da Fetcemg, comandará a principal entidade ligada ao transporte brasileiro durante os próximos quatro anos. Nesse período, Vander pretende alcançar melhorias significativas para o segmento, que vivenciou e sofreu com a crise econômica dos últimos anos.

Quem é o novo presidente da CNT?

O novo presidente da CNT possui uma vida inteira ligada ao transporte de carga. Com apenas 14 anos, Vander trabalhou na transportadora em que seu pai era sócio. Mais tarde, ele fundou a Vic e passou a exercer funções administrativas na empresa.

Além disso, o empresário foi diretor e presidente da Setcemg e da Fetcemg. Com muita experiência no mercado, Vander pretende regular o mercado de forma eficiente, diminuindo entraves e melhorando o transporte brasileiro. “Se quisermos atrair investidores, precisamos expor, de maneira clara e objetiva, as regras do jogo, garantindo segurança jurídica”, afirma.

Desafios no transporte no Brasil

A crise dos últimos anos, segundo Vander, causou grandes entraves para o sistema de transporte brasileiro. Por essa razão, ele acredita que seus desafios são grandes, mas afirma que está capacitado e pronto para solucioná-los da melhor forma.

Nesse sentido, sobre os desafios que devem ser enfrentados, Clésio Andrade afirma que seu sucessor deve apostar em investimentos na infraestrutura. “O Brasil depende muito do transporte para se desenvolver, mas o futuro do setor exige infraestrutura, mão de obra qualificada, muito conhecimento técnico e capacidade inovadora”, lembra.

Como está o transporte nacional atualmente?

Um estudo da própria CNT revelou que são necessários R$1,7 trilhão para realizar 2.663 projetos essenciais para o transporte do país. A missão de Vander Costa é justamente a de viabilizar parte desses investimentos e reduzir o déficit de obras necessárias.

E para cumprir com tudo isso, o novo presidente da CNT acredita que é necessário dialogar com o governo, “O papel da CNT é também o de convencer os governantes de que investir em infraestrutura é preparar o Brasil para o crescimento”, garante.

Relação deve ser próxima entre o novo governo e a CNT

Confiante com o governo de Jair Bolsonaro, Vander Costa afirma que a equipe econômica presidencial está no caminho certo e acredita numa parceria para “ampliar os investimentos em infraestrutura por meio de uma parceria com a iniciativa privada.”

Apesar de acreditar na eficiência que o setor privado pode oferecer, Vander pondera que as concessões a longo prazo são prejudiciais e atrasam o desenvolvimento econômico do país. Nesse sentido, o presidente da CNT acredita que algumas práticas frequentemente utilizadas no presidencialismo devem ser suprimidas em favor de ações mais rápidas e assertivas.

Medidas necessárias para o avanço do transporte no país

A receita, segundo Vander Costa, para melhorar a infraestrutura no Brasil é “eliminar as outorgas, ou baixar seus valores, para poder prover o investimento em infraestrutura de transporte e garantir sua sobrevivência”, comenta.

“A outorga é perversa para a sociedade brasileira; ela resolve os problemas de caixa no dia do leilão, e não no longo prazo”, complementa. Para solucionar esse quadro, Vander retoma a importância de um diálogo com a equipe econômica de Jair Bolsonaro.

“Estamos realizando diversas reuniões com os órgãos do governo. Sabemos que os ministros estão bastante envolvidos na formulação de projetos nesse início, organizando a casa. Mas estamos mantendo um diálogo para colocar nossas ideias”, afirma.

CNT é muito importante para o país

Para Vander, a CNT possui uma importância muito grande para a logística e o transporte no Brasil. Isso porque, além de representar diversos grupos ligados ao transporte, a entidade disponibiliza ao governo diversas pesquisas e estudos “fundamentais para a formulação de políticas públicas de transporte”.

Essas tarefas pró-país não se restringem apenas à CNT. “O trabalho do SEST SENAT é vitorioso. Foram os líderes do transporte que comandaram esse processo. Eles sonharam e viram esse sonho se tornar realidade. Na minha visão, o SEST SENAT cumpre o seu papel e tem se preparado para desempenhar novas funções que acompanhem a evolução do transporte”, lembra.