Conheça os projetos de infraestrutura do novo ministro

15/03/2019 às 3:20 - Atualizado em 15/03/2019 às 3:20

No começo deste ano, o presidente eleito Jair Bolsonaro tomou posse e revelou os homens e mulheres que fariam parte de seu governo. Entre eles, está Tarcísio Gomes de Freitas, o novo ministro responsável pelos próximos projetos de infraestrutura no Brasil.

Com uma tendência favorável a desestatização, o novo ministro da Infraestrutura já é conhecido por muitos dentro do setor dos transportes. Ainda sim, traçamos um pequeno perfil sobre o homem que será uma figura muito importante para o país nos próximos quatro anos.

Quem é Tarcísio Gomes de Freitas?

Nascido no Rio de Janeiro e com 43 anos, Tarcísio Gomes de Freitas é um capitão reformado do exército e possui formação em engenharia civil no Instituto Militar de Engenharia (IME).

Além disso, Freitas é pós-graduado em Gestão de Cadeia de Suprimento Logística pela Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais do exército e em Gerenciamento de Projetos na Fundação Getúlio Vargas (FGV). O ministro também é bacharel em Ciências Militares pela Academia Militar das Agulhas Negras.

Trajetória na política

O novo ministro é servidor público de carreira com vínculos à consultoria legislativa da Câmara dos Deputados. Ele foi secretário de Coordenação de Projetos na Secretaria Especial do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), diretor-geral e diretor-executivo do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) no governo Dilma.

Além disso, no ano de 2015, Tarcísio Freitas foi o secretário da Coordenação de Projetos da Secretaria Especial do Programa de Parceria de Investimentos (PPI). No cargo, ele era o responsável pela área de privatizações e concessões, ideia que levou para o governo atual.

Propostas e ideias de Tarcísio Freitas

O novo ministro da infraestrutura contou em seu discurso de posse o que espera para o futuro governo e revelou suas principais propostas. Com ideias diferentes de gestões antigas, Tarcísio Freitas não quer ser lembrado como parte de uma “geração perdida” e pretende “deixar um legado para as próximas gerações”.

Confira algumas propostas abordadas por Freitas neste início de governo:

Privatizar ou liquidar estatais

A proposta que mais chamou atenção durante o discurso, foi a promessa de privatizar ou liquidar 100 estatais. O objetivo de tal medida seria desonerar o orçamento e levantar recursos para outros investimentos prioritários.

E uma das organizações utilizadas como exemplo, foi a Empresa de Planejamento e Logística (EPL). Esse órgão foi criado para implantar o trem-bala no Brasil, mas o projeto não foi para frente e atualmente está parado.

O argumento principal é que essa empresa consome R$ 70 milhões em recursos públicos por ano, o que é um grande investimento para um retorno mínimo ou nulo, já que o propósito do EPL se tornou inviável.

Trabalhar ao lado da iniciativa privada

Um ponto muito importante do discurso de Tarcísio de Freitas, foi a preocupação do governo de trabalhar lado a lado com a iniciativa privada. Segundo ele, esse diálogo pode produzir frutos extremamente positivos, tanto para as empresas, como para a população.

Por meio do ​Programa de Parcerias de Investimentos, a ideia é viabilizar uma comunicação e trazer soluções para problemas antigos na malha estatal brasileira.

Concessões de rodovias

Os dados revelam que as operações do governo atualmente são deficitárias. Para solucionar essa problemática, a equipe econômica aposta na mudança do modelo de previdência.

Como ponto de apoio para um retorno financeiro, Tarcísio Freitas acredita que as concessões podem ser uma ótima opção. Por isso, o ministro pretende viabilizar esse processo para 5.600 novas rodovias e realizar concessões para outras 4.000 já existentes.

Modernização das rodovias e operação sagra

Outra proposta relevante de Tarcísio de Freitas é modernizar e trazer mais tecnologia de informação para diversas rodovias brasileiras. Ele garante que é possível proporcionar melhorias e reduzir tarifas em algumas estradas, como a Rio-Petrópolis, Rio-Teresópolis, Br 364/365 e a 363, no Pará.

O ministério da Infraestrutura também pretende realizar a operação safra, proporcionando o tráfego de commodities do Mato Grosso em direção aos portos brasileiros. Para tal ação, será possível contar com as forças governamentais, como o apoio do exército e da polícia rodoviária federal.

Concessão de aeroportos e portos

Além das rodovias, Tarcísio também pretende retomar a concessão em aeroportos, processo que está acontecendo e deve ter o 5º pacote desse seguimento realizado em Março.

Já para o setor hidroviário, o ministro garantiu que 10 terminais portuários devem ser leiloados. Segundo ele, todas as medidas que visem a eficiência e resultados positivos devem ser observadas e avaliadas.

Mudanças para as ferrovias

O ministro Tarcísio Freitas acredita que grandes mudanças são necessárias para o modal ferroviário brasileiro. Por isso, seria necessário realizar o leilão de grandes malhas ferroviárias, como a Norte-Sul e a FIOL.

Além disso, os projetos de infraestrutura do governo devem contemplar uma licitação para a Ferrogrão, importante via que liga os estados de Mato Grosso e Pará. Por lá, segundo o ministro, são movimentadas cerca de 62 milhões de toneladas de grãos, número que pode quase que dobrar até 2025.

Rearranjo institucional

Uma meta do novo governo é o rearranjo institucional e, consequentemente, a independência das agências regulatórias. Para isso, Tarcísio Freitas está discutindo com os servidores uma possível fusão entre a ANTT e a Antaq.

Esse processo deve ser realizado para tornar essas agências mais fortes e sustentáveis, capazes de garantir um bom ambiente para os negócios e um terreno fértil para diferentes projetos de infraestrutura no Brasil.