Entenda a última pesquisa CNT e veja quais os possíveis avanços

05/03/2019 às 9:53 - Atualizado em 13/03/2019 às 9:56

A Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador realizada por meio de uma pesquisa CNT possui como objetivo avaliar e analisar a opinião de todos os transportadores brasileiros diante de questões como investimentos, custos, infraestrutura e contratações.

A 10ª versão desse estudo foi finalizada no dia 14 de novembro deste ano e os resultados devem sair nos próximos dias. Apesar disso, a avaliação da última publicação (9ª edição) pode revelar importantes indícios de como os números podem ser examinados.

Na época, 54,4% dos empresários avaliaram o ano de 2018 com otimismo. Isso porque, enquanto para 49,9% dos entrevistados, o número de viagens aumentaria, somente para 8,3% elas diminuíram.

Metodologia da pesquisa

A 9ª versão do estudo da CNT foi divulgada no início do ano e abordou 823 transportadores brasileiros de diferentes modais e questionou suas opiniões sobre o ano de 2017 e quais são suas perspectivas para o ano de 2018.

Os dados podem nos revelar o que aconteceu em 2018 e traçar alguns indícios sobre a próxima pesquisa, que deve sair nos próximos dias. Veja abaixo uma perspectiva geral das informações:

Perspectiva geral da economia para o transporte

Na opinião da maioria dos entrevistados, 2017 foi um ano negativo para a economia, já que apenas 8,3% dos entrevistados acreditavam em um avanço econômico. Já em 2018, 26,6% dos transportadores viam aquele ano como de retomada.

Ainda na pesquisa, a maioria dos entrevistados, formada por 38,8 dos que participaram do estudo, afirmaram que 2019 seria o ano em que o crescimento econômico poderia ser, de fato, notado. Tais dados podem evidenciar a realidade, já que o G10, um dos maiores grupos de transportadoras do Brasil, anunciou um investimento de 100 milhões de reais para o próximo ano.

Quais eram as expectativas para 2018?

Os transportadores brasileiros dos diferentes modais também votaram nas expectativas para o ano de 2018 a partir das seguintes perspectivas: renda bruta, número de viagens, movimentação de cargas, movimentação de passageiros e a expectativa dos preços em relação ao ano de 2017. Confira cada uma dessas variáveis:

Renda bruta:

  • 8,6% acreditavam que reduziria;
  • 2% que se manteria;
  • 54,4% que aumentaria,
  • 5% não sabiam ou não quiseram responder.

Número de viagens:

  • 8,3% acreditavam que reduziria;
  • 37,9% que se manteria;
  • 49,9% que aumentaria,
  • 3,9% não sabiam ou não quiseram responder.

Movimentação de cargas:

  • 2,5% acreditavam que reduziria;
  • 26,8% que se manteria;
  • 66,4% que aumentaria,
  • 4,3% não sabiam ou não quiseram responder.

Movimentação de passageiros:

  • 16,8% acreditavam que reduziria;
  • 43,2% que se manteria;
  • 35,3% que aumentaria,
  • 4,7% não sabiam ou não quiseram responder.

Variação do lucro em relação ao ano de 2017:

  • 2,3% acreditavam que reduziria;
  • 33,3% que se manteria;
  • 58,3% que aumentaria,
  • 6,1% não sabiam ou não quiseram responder.

Os dados se confirmaram? Como sua transportadora se saiu diante das expectativas? Os dados foram confirmados ou algum fator impactou de outra forma no resultado final?

Além disso…

A Pesquisa CNT Sondagem Econômica também revelou diversos dados e informações sobre os diferentes modais, desde rodoviário para o transporte de cargas até o aquaviário ou ferroviário.

Nesse contexto, é possível entender o impacto do estado das estradas para os dados informados sobre o transporte rodoviário ou  a falta de investimento sobre as ferrovias brasileiras para os números sobre esse modal.

Se você deseja se aprofundar e consultar essas informações extras sobre a última pesquisa CNT divulgada, pode clicar aqui. E fique atento que em pouco tempo o estudo mais atual será revelado e uma análise completa entre a expectativa e a realidade será possível.