Evite erros no cálculo de frete e potencialize os lucros

25/01/2019 às 4:26 - Atualizado em 14/02/2019 às 10:39

O cálculo de frete é de imprescindível para transportadoras, pois nesse ramo é essencial vencer a concorrência sem sair no prejuízo. E esse processo se torna mais complexo e difícil no modal rodoviário, já que existem outras tantas variáveis, e valores errôneos podem ser prejudiciais para uma empresa.

Por essa razão é importante traçar uma avaliação muito criteriosa de todos os itens capazes de alterar o preço de um frete e colocá-los na ponta do lápis. Afinal, evitar prejuízos dispensáveis e dores de cabeça desnecessárias podem fazer toda a diferença para o sucesso de uma empresa.

1. Peso e frete

A primeira lição é evitar definir qualquer preço a partir do preço bruto ou do preço cubado de alguma carga. Essa análise deve ser feita de acordo com o preço especificamente da mercadoria ou da área que ela ocupa dentro do caminhão, de preferência o que fornecer o valor maior.

2. Pedágio

Outro item muito importante é o pedágio, que pode alterar —e muito— o valor final de um frete, variando de acordo com o percurso do caminhão responsável pela entrega. No transporte de quaisquer cargas fracionadas é importante lembrar que o custo dessa cobrança é definido pelo rateio.

3. GRIS

Essa sigla se refere à taxa de gerenciamento de risco e deve ser calculada por meio de uma porcentagem a partir do valor total da nota fiscal. A GRIS tem como função cobrir custos decorrentes de medidas utilizadas no combate ao roubo de carga durante o frete.

4. Ad Valorem

O Ad Valorem é uma forma de estender o seguro para a mercadoria que não está assegurada antes do tráfego. O valor desse serviço deve ser cobrado a partir do preço total da carga.

5. Taxa de Restrição ao Trânsito – TRT

Essa cobrança propõe custos adicionais para casos de entregas em cidades que possuem qualquer tipo de restrição ou veto à circulação de veículos de carga. Ela é muito comum em metrópoles e grandes centros urbanos que não permitem a locomoção de caminhões e veículos pesados durante uma determinada parte do dia.

6. ICMS

O ICMS ou Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços é uma das variações mais recorrentes na logística de cálculo de frete para o transporte nas rodovias do Brasil.

Essa taxa está diretamente relacionada ao transporte intermunicipal, interestadual e de comunicação e pode implicar em diferenças substanciais no cálculo de um frete de determinada transportadora.

7. Taxa de despacho

A taxa de despacho é uma cobrança fixa geral que possui relação tanto com os custos operacionais e administrativos como os valores das operações de despacho, coleta e entrega.

Atenção para todos os itens acima

As transportadoras lidam com vários clientes e muitas fazem centenas de contas todos os dias. Por essa razão, os especialistas recomendam que quaisquer valores entregues aos clientes não sejam calculados de forma manual.

Como a demanda é muito grande, cálculos manuais podem ser perigosos e errôneos, o que pode gerar um CTE incorreto, resultando diretamente em prejuízos financeiros por um valor baixo demais ou perda de uma entrega para a concorrência se o preço for excessivo.

Por essas razões, além de economizar tempo, pode ser muito benéfico para as transportadoras investirem em uma customizada planilha de cálculo de frete rodoviário, pontuando todas as variáveis e deixando que as contas sejam feitas de forma automática.