Superarticulados da Mercedes-Benz lideram oferta de transporte

28/07/2016 às 12:35 - Atualizado em 22/09/2016 às 3:57

Superarticulados da Mercedes-Benz lideram oferta de transporte

Superarticulados da Mercedes-Benz lideram oferta de transporte nos corredores do BRT do Rio e têm terminal na Cidade dos Esportes

Matéria da Revista Edição nº129, no ano de 2016

Às vésperas dos Jogos Olímpicos Rio 2016, a Mercedes-Benz do Brasil comemora seus melhores resultados em participação na categoria e uma evolução de 11,2% nos últimos cinco anos, no mercado de chassi de ônibus igual ou acima de 8 toneladas.

No mercado total brasileiro a participação da montadora chega a 56,0% nos chassis rodoviários e a 71,6% nos urbanos, no geral a fatia da Mercedes chega a 55,3% no mercado de chassis iguais ou maiores que oito toneladas. No Rio de Janeiro a proporção chega ao domínio absoluto, com uma fatia de 88,7% nos rodoviários e 89,5% nos urbanos.

Para arrematar, Walter Barbosa, diretor de Vendas e Marketing de Ônibus da Mercedes-Benz do Brasil, destaca que o sistema BRT do Rio de Janeiro passará a contar com 271 ônibus da marca, com a venda de 50 superarticulados de 23 metros.

O sistema BRT carioca, formado pelos corredores Transoeste e Transcarioca já opera 68 superarticulados O 500 – em três anos a montadora comercializou 1.000 unidades no Brasil – 900 delas para a capital paulista. O sistema contará até o final do ano com um total de 271 veículos de alta capacidade, além de 300 ônibus OF com suspensão a ar, que fazem as vezes de alimentadores. Outros 40 MB O 500 U com piso baixo operam no sistema BRS, formando assim uma frota de grande variedade, desde chassis com motor dianteiro até unidades de piso baixo e superarticulados.

O gerente de Infraestrutura do BRT carioca, Alexandre Castro, destaca que o sistema deslocará 10 milhões de passageiros/dia em 150 quilômetros de extensão com cinco tipos de carros diferentes.

A satisfação da companhia com a situação é expressa por Roberto Leoncini, vice-presidente de Vendas, Marketing e Pós-Venda de Caminhões e Ônibus da Mercedes-Benz do Brasil: “Há 60 anos somos líderes de mercado não só em vendas de ônibus, mas também na oferta de produtos e serviços que asseguram eficiência e rentabilidade no transporte de passageiros”, lembra ele. Nessas seis décadas foram produzidos 670 mil monoblocos e chassis.

Dentro desse retrospecto, o superarticulado é o craque da vez e vem se consolidando mês a mês graças a predicados que agradam em cheio o empresariado. Barbosa ressalta alguns deles: “Além dos 23 metros de comprimento e da capacidade para 200 pessoas, ele tem apenas uma articulação, o que significa menores custos e menos paradas para manutenção”, diz ele.

Consolidação

O veículo tem quatro eixos e seu quarto eixo direcional possibilita um raio de giro bastante pequeno, algo muito importante para compartilhar espaço em terminais utilizados também pelos padron e ônibus comuns que alimentam o sistema. A linha de articulados da montadora reúne os superarticulados O 500 UDA Low Entry (piso baixo) e O 500 MDA (piso alto) e também os articulados O 500 UA Low Entry (piso baixo) e O 500 MA (piso alto).

Em comparação com os biarticulados Barbosa diz que a diferença de capacidade, de 200 para 250 passageiros, é totalmente desfeita pela carestia de 30 a 40% na manutenção dos biarticulados, enquanto os 5 metros de diferença, de 23 metros para 28 metros, também causam maiores custos para oficinas e até mesmo mais comodidade de parada nas plataformas, que no BRT do Rio variam de 90 até 160 metros. 

Hoje a empresa participa de todos os principais sistemas BRT do mundo, entre os quais estão Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Brasília e Curitiba, no Brasil, e Bogotá, Santiago do Chile, México, Turquia e África do Sul no exterior.

Já Gustavo Nogueira, gerente de Marketing BRT da área de Marketing de Produto Ônibus da Mercedes-Benz, acrescenta, que os benefícios ambientais com o uso da solução transporte rápido de massa desses sistemas: “Essas frotas consomem menos combustível, emitem menos poluentes e permitem substancial melhoria da qualidade do ar.”

Outro contribuinte desse alívio da poluição é o uso do biodiesel numa proporção de até 20%, com a manutenção de total eficiência, confiabilidade e durabilidade da frota, sem necessidade de qualquer modificação no motor dos coletivos.

Nogueira lembra de outro item fundamental, os custos de implantação do sistema. “Esses custos são dez vezes menores e com prazo mais de 60% menor que os requeridos para implantação de modais como o trem e metro”, calcula.

Walter Barbosa salienta ainda que uma rede de 25 concessionários dedicados a ônibus ficam de prontidão para atender as empresas do transporte rodoviário de passageiros, com mão de obra especializada, serviços rápidos e preços competitivos.

A participação da rede na manutenção de ônibus ainda é pequena, mas crescente, pois cada vez mais os empresários constatam que vale mais a pena se dedicar à atividade fim. A rede foi batizada de Center Bus – Centro Especializado em Ônibus, e além dos serviços de manutenção oferece assistência 24 horas e três linhas de peças para viabilizar o uso da rede pelos empresários. ν