O transporte aéreo vai dobrar nos próximos dez anos na América Latina. E agora?

11/03/2019 às 1:53 - Atualizado em 14/03/2019 às 2:00

O Anuário CNT do ano de 2018 revelou que o transporte aéreo está numa crescente dentro do Brasil. O número de voos domésticos e internacionais teve um aumento de 2,6% em relação ao ano de 2017. Além disso, o número de cargas transportadas também teve um crescimento vertiginoso: 8,9% em relação a 2016.

Essa tendência não se restringiu ao Brasil. Divulgado recentemente, o Airbus Global Market Forecast prevê que o número de viagens realizadas em aviões dentro da América Latina deve dobrar nos próximos 20 anos.

Segundo a Airbus, esse crescimento pode ser relacionado com o aumento de renda de parte da população da região. O número de pessoas dentro da classe média na América Latina deve aumentar de 350 para 520 milhões no mesmo período, o que torna as viagens mais populares e acessíveis.

Transporte aéreo atualmente

O transporte aéreo latino-americano atualmente gera 7,2 milhões de empregos diretos, o que faz com que o setor movimente cerca de 156 bilhões de dólares. Apesar de expressivo, o número pode ser ainda maior.

Pelo menos é isso que projeta a Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata), que defende o aumento de benefícios econômicos e um incentivo maior por parte dos governos da América Latina.

eta a Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata), que defende o aumento de benefícios econômicos e um incentivo maior por parte dos governos da América Latina.

A Iata também critica o preço do combustível e os altos impostos do Brasil e de países como o México, Barbados e Peru. Ainda assim, a empresa projeta um lucro de 900 milhões de dólares para o setor em 2018, um aumento de 28% em relação ao ano de 2017.

Transporte aéreo de carga

Outro levantamento da Iata revelou que entre os períodos de maio e julho de 2018 houve um aumento de 11,4% no transporte de cargas na América Latina em relação ao mesmo período de 2017.

Esse crescimento é mais relevante do que qualquer outro ao redor do mundo, o que confirma um aumento impetuoso do transporte aéreo de cargas na região. Vale lembrar também que a capacidade de deslocamentos desse tipo aumentou 1,5% na América Latina dentro do período analisado e possui uma perspectiva extremamente positiva.

Investimentos no Brasil

O último “Caderno Transportes”, divulgado pelo Ministério dos Transportes, Portos e Aviação, referente ao ano de 2017, revelou um aumento do tráfego aéreo no Brasil.

As empresas brasileiras transportaram 99 milhões de pessoas no ano, um aumento de 2,2% no mercado doméstico e 11,7% no internacional. Já o transporte de cargas cresceu 1,8% para o mercado doméstico e 23,4% para o internacional.

Para acompanhar o crescimento, não só no Brasil como na América Latina, o governo federal investiu 1,22 bilhão de reais dispostos entre terminais de passageiros, áreas comerciais, estacionamentos para aeronaves e a própria capacidade de passageiros, importante para garantir conforto e segurança para todos os usuários.

Aumento de passageiros e demanda

Prova desse potencial crescimento do transporte aéreo de pessoas é a categorização de diversas cidades latino-americanas como megacidades da aviação. Atualmente, Bogotá, Buenos Aires, Lima, Cidade do México, Cidade do Panamá, Santiago e São Paulo estão na lista. Nos próximo 20 anos, porém, Cancun e Rio de Janeiro devem receber essa nomeação.

Para comportar todo esse movimento, a Airbus calcula que serão necessárias 2.720 novas aeronaves, representando um investimento no valor de 349 bilhões de dólares. Esse número indica que a frota deve quase dobrar de 1.420 para 3.200 no próximo vintênio.

Tudo isso é muito positivo para o transporte aéreo brasileiro, que pode potencializar ainda mais o número de passageiros e também gerar mais empregos, o que proporciona um ciclo vicioso muito positivo para os transportadores e para os viajantes.